Bom Retorno, Será? Uma rápida Conversa sobre o Meu Retorno às Quadras

Caros amigos,

 

Quebrado, é como estou agora.

Para começar, digo-lhes, ficamos em 6º lugar, ufaaa!

Fizemos 5 jogos, perdemos 2, vencemos 2 e empatamos 1. Vencemos ADVC por 3 a 1, o INV por 1 a 0; empatamos com a ASDEFIPEL em 0 a 0 e perdemos para a APADV por 3 a 0 em duas oportunidades.

A equipe foi bem, dentro das condições: pouco banco, equipe jovem e muita contusão, inclusive minha. Nos faltou ataque, tanto em nível de segurar a bola no campo ofensivo, quanto de chutar ao goal, verdadeiramente. Eu perdi um penalte, quase não subi e me machuquei, mas tive que jogar por falta de banco...

Defensivamente, fomos bem, exceto contra a APADV, de quem tomamos 6 goals, onde tivemos um pouco mais de dificuldade de controlar o jogo, a velocidade do Gledson e do colombiano Gonzales. Miltão, nosso goleiro, foi bem: boas defesas, seguro e uma pessoa fora de quadra incrível.

Sobre mim, meu retorno e tudo mais... Foi bom demais. Não me sentia assim, com aquele friozinho na barriga, desde muito tempo.

É certo que não fiz nem de perto a preparação que eu queria ter feito. Fisicamente não estava como queria, já que durante o período de treino, algumas dores surgiam e eu tinha que reduzir a carga de treino, o ritmo da corrida. Também não tivemos jogos, jogos treino, nem mesmo coletivos que pudessem dar aquela sensação de jogo... Mas me surpreendi com a disposição.

Como disse, fomos com poucos atletas. Para completar, Michael se machucou e nem jogou o último jogo, além de se ausentar por algum tempo nos demais. Felipinho também ficou fora de alguns momentos por bancada ou até cansaço. Sobrou para o velhinho aqui jogar todo o tempo, dos 5 jogos. A perna faltou algumas vezes, o cansaço bateu, mas eu segui firme.

Muita coisa tenho para melhorar (minha equipe também), mas aqui vou falar somente de mim, ok.

 

Condição física: preciso melhorar muito o preparo físico para aguentar todo o campeonato sem que o cansaço me derrube e mantendo um bom nível por todo o tempo. Oscilar menos, fisicamente, é o ideal. Além disso, melhorar a explosão, velocidade de arranque, é importante.

 

Condição técnica: melhorar a percepção da bola, buscar a interceptação com mais acertos é bom; melhorar o combate homem a homem, a aproximação e o desarme. Conseguir acompanhar a corrida e impedir o chute é essencial nestes tempos de futebol corrido e forte. Se conseguir melhorar a subida, a condução e chutar um pouco para ajudar, é plus.

 

Condição médica: preciso chegar forte muscularmente para evitar contusões e poder render bem por todo o campeonato.

 

Neste campeonato, ainda no primeiro jogo, contra a ADVC, eu, ao tentar interceptar uma bola, senti a lombar. Foram dores insuportáveis, reforçadas por uma cama mole demais, no CT. No terceiro jogo, contra a ASDEFIPEL, em uma dividida com o Bill, minha canela levou a pior. Inchou, acho que inflamou, dificultando a circulação. Pela dor nas costas, no primeiro jogo contra a APADV, acabei batendo um penalte de M. Não sei se faria o goal, até estava treinando bem, mas realmente não sou um batedor de penalte bom, mas como o Michael, que é o batedor oficial estava fora, fui eu bater... E bati mal demais.

Enfim, gostei de meu retorno, mas não estou satisfeito com o que fiz. Gostei de voltar a jogar bola. Gostei da equipe, mas realmente não gostei do clima da competição.

Fico por aqui, se eu tiver vontade, venho aqui novamente para falar um pouco mais, mas por agora, acho que está legal.

Valeu pela torcida de todos. Obrigado as várias (e foram várias mesmo, viu) equipes que queriam contar comigo. Realmente fico feliz pelos contatos, convites e propostas, mas não seria justo comigo e com o IBC se eu não retornasse por aqui, especialmente pelos problemas e dificuldades que estamos passando aqui... E também não seria justo com vocês, equipes, já que nem sabíamos como eu retornaria, não é.

Não quero citar aqui as equipes que convidaram-me, mas acho que por baixo, recebi uns 15 convites, um número interessante para alguém que estava afastado por 8 anos.

Agora, é torcer que possamos melhorar para o brasileiro e que eu consiga me apresentar melhor, ajudando a equipe a ficar ainda melhor colocada.

 

Valeu mesmo!